Musicas

Com indignação, Pensador rima sobre violência carioca em rap no ‘Fantástico’

O domingo era de Carnaval, mas a edição de ontem do programa Fantástico, da TV Globo, falou também do estampido desafinado dos tiros que, na semana passada, assustaram os cariocas e tiraram a vida de crianças inocentes na cidade do Rio de Janeiro (RJ). A reportagem sobre a galopante escalada da violência no Rio foi sonorizada por número musical protagonizado pelo rapper carioca Gabriel O Pensador.

Com o toque fúnebre do surdo de João da Serrinha, Gabriel versou com destreza e indignação sobre os assassinatos de crianças vítimas de assaltos e/ou balas perdidas em rap inédito. Com sagazes citações de versos do samba O surdo (Totonho e Paulinho Rezende, 1975) e do funk Que tiro foi esse? (Jojo Maronttini, 2017), sucessos das cantoras Alcione e Jojo Todynho, a letra do rap cita nominalmente crianças como Emilly Sofia Neves Marriel, morta na semana passada aos três anos, em assalto ao carro dos pais da menina.

O rapper Gabriel O Pensador e o músico João da Serrinha no programa 'Fantástico' em 11 de fevereiro de 2018 (Foto: Reprodução / Vídeo TV Globo)

Projetado em 1992 com Tô feliz (Matei o presidente), rap que gerou em outubro de 2017 uma segunda versão que tem como alvo o atual presidente do Brasil, Michel Temer, Gabriel O Pensador foi um dos primeiros rappers brasileiros a alcançar o mainstream do mercado fonográfico, chegando a vender um milhão de cópias de um único álbum, Quebra-cabeça, de 1997.

O rapper carioca não veio do gueto, como a quase totalidade dos manos paulistanos, mas tampouco se eximiu de denunciar as injustiças sociais do Brasil com as armas potentes do hip hop. A diferença é que, na discografia do Pensador, há doses equilibradas de crítica social e de temas mais leves.

Contudo, o emocionante número feito por Gabriel na edição do programa Fantástico de 11 de fevereiro de 2018 atesta que a rima do Pensador continua afiada e consciente com o delicado momento do Brasil e, em especial, da cidade natal do artista.

SOURCE